Sem papel, sustentável e consultiva 2  (1).gif

A importância de fusões e aquisições para pequenas e médias empresas

Fusões e aquisições, também conhecido por M&A (siglas iniciais do termo “Mergers and Acquisitions”), é uma forma de crescimento encontrada para alavancar novas empreitadas.

Pexels

Fusões e Aquisições, também conhecido por M&A (siglas iniciais do termo “Mergers and Acquisitions”), é uma forma de crescimento encontrada para alavancar novas empreitadas. A operação dessa natureza é muito utilizada tanto para grandes sociedades empresárias, como para pequenas e médias empresas.


Por meio de Fusões e Aquisições é possível expandir os negócios, aproveitando-se o que cada empresa faz de melhor. Essas transações podem ser utilizadas estrategicamente para compra e venda de uma empresa, obtenção de cooperação e sinergia, ganho de eficiência e melhoria de recursos. Além disso podem permitir que companhias cresçam e mudem seus negócios ou sua posição competitiva.


Podemos entender fusões e aquisições como estratégias de recuperação ou fortalecimento de mercado. Normalmente, os processos de M&A são realizados por empresas que estão em comum acordo, desejam unir forças para continuar atuando com competitividade.


O que é fusão?


A fusão se dá pela junção de duas empresas, formando um novo negócio que mantém as obrigações e responsabilidades de suas originárias. Os principais motivos para empresas realizarem uma fusão são:


  • Diminuição nos custos de produção;

  • Gerar capital;

  • Entrada em novos mercados ou o lançamento de novos produtos;

  • Aumento da abrangência de marca;

  • Aumento das receitas;

  • Redução de custos;

  • Diminuição de riscos de mercado;

  • Mais competitividade

  • Melhores condições de atuação.


Há cinco tipos comuns de fusão, que pode ser consolidada de acordo com a finalidade da transação comercial e relacionamento entre as empresas. Veja os tipos de fusão utilizadas:


  • Fusão horizontal: união de empresas do mesmo setor, com o objetivo de criar uma organização, com mais participação de mercado e diminuição dos custos.

  • Fusão vertical: ocorre entre empresas que atuam em negócios distintos, mas que possuem serviços ou produtos complementares. A transação busca promover mais controle sobre as atividades, proteger o investimento, ganhar facilidade na distribuição dos produtos e assegurar matérias-primas.

  • Conglomerado: união de empresas de atividades distintas, com o objetivo de diversificar os produtos e aproveitar oportunidades de investimentos.

  • Fusão de extensão de mercado: união de empresas do mesmo setor, mas de mercados distintos. Visa ao acesso a um mercado mais extenso e a um número maior de consumidores.

  • Fusão de extensão de produto: junção de empresas cujos produtos relacionam-se e que operam no mesmo mercado. A meta é adquirir acesso a um grupo mais amplo de consumidores, aumentando a lucratividade.


O que é aquisição?


A aquisição de empresas é quando uma empresa, geralmente de menor tamanho, é incorporada (comprada) por outra, que assume o seu controle acionário. A empresa que foi adquirida pode deixar de existir e a empresa compradora assume os direitos e as obrigações. Pode acontecer também da empresa adquirida manter suas atividades da mesma forma, mas agora sob nova gestão.


Os principais motivos que levam as empresas à modalidade de aquisição são:


  • Complementar as linhas de produção em um determinado segmento;

  • Aumentar as receitas;

  • Garantir melhores condições de produção e rentabilidade para as empresas envolvidas.

Vale lembrar que no processo de aquisição nem sempre o ramo de negócio é o mesmo, justamente com a estratégia de expandir o mercado para áreas em que não tem atuação para marcar presença em novos setores. A aquisição pode ocorrer de três formas:


  • Parcial: aquisição de 10 até 49% do capital votante;

  • De controle: aquisição de mais de 50% do capital votante;

  • Total: aquisição de 100% do capital votante. Ocorre o desaparecimento legal da empresa comprada.


Pode ser classificada de outras três formas:


  • Horizontal: a empresa adquirida produz tipos de bens ou oferece serviços similares;

  • Vertical: a empresa adquirida está à frente ou atrás na cadeia de valor;

  • Conglomerada: a empresa adquirida é de uma diferente área de atuação.


Fonte: Portal Contábeis

Sem papel, sustentável e consultiva.gif