top of page

Plataforma Não Me Perturbe alcança 11 milhões de cadastros em 2022

Mecanismo bloqueia chamadas de telemarketing.


Foto: Tima Miroshnichenko/Pexels


A plataforma Não Me Perturbe Mais, mecanismo que permite bloqueio de chamadas não desejadas de empresas, finalizou 2022 com 11 milhões de números de telefone cadastrados.

Esse número representa um crescimento de 1,45 milhão em relação a 2021.

De acordo com a Conexis Brasil Digital, que reúne as empresas de telecomunicações e de conectividade, o número de cadastros equivale a 3,8% da base de 288,6 milhões de telefones fixos e móveis existentes no Brasil.

Em operação desde julho de 2019, a plataforma permite que as pessoas bloqueiem chamadas de telemarketing vindas de empresas de telecomunicações e de oferta de crédito consignado.

No entanto, o mecanismo não bloqueia ligações, por exemplo, de planos de saúde ou de redes varejistas.

Quem quiser bloquear seus números de celular e telefone fixo para não receber ligações de telemarketing desses dois setores, telecomunicações e crédito consignado, deve fazer o cadastro diretamente no site Não Me Perturbe ou por meio dos Procons em todo o país.

O bloqueio ocorre em até 30 dias após o cadastro no site.

A grande maioria dos números bloqueados até agora está no estado de São Paulo, com 5,17 milhões de números registrados.

São Paulo também concentra a maior base de clientes do país, com 87 milhões de celulares e telefones fixos.

O Distrito Federal tem a maior proporção de telefones cadastrados na plataforma, com 7,1% da base de telefones fixos e móveis do DF.

Plataforma Não Me Perturbe

A plataforma Não Me Perturbe, em operação desde julho de 2019, faz parte das medidas de autorregulação do setor para melhorar a relação com os consumidores.

Desde então, o número de cadastros cresce ano a ano, mas só superou a marca de 10 milhões em 2022.

Em novembro do ano passado, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o volume de queixas caiu 29% em relação ao mesmo mês do ano anterior.


Fonte: Portal Contábeis Com informações da Agência Brasil


Comments


bottom of page