Sem papel, sustentável e consultiva 2  (1).gif

Tédio no trabalho: perigo ainda maior que o Burnout

O tédio pode ameaçar o bem-estar das pessoas, fazendo com que estas deixem seus empregos.

Uma pesquisa recente da consultoria McKinsey relata altos níveis de esgotamento e angústia entre os funcionários.


Segundo o estudo, 74% dos líderes de RH nos Estados Unidos estão se comprometendo a priorizar a saúde mental das equipes.


Mas e se o esgotamento não for o principal problema no trabalho? E se o estado oposto do Burnout, o tédio, for a verdadeira ameaça ao bem-estar?


Entendendo o tédio


“Boreout” no trabalho é o tédio crônico, e estudos mostraram que ele pode causar depressão, ansiedade, estresse, insônia e maior rotatividade. Enquanto o tédio é um estado emocional caracterizado por se sentir desanimado, sem foco e inquieto, mas sem o desejo de se envolver.


Resumindo, o tédio existe quando estamos mentalmente, embora existam diferenças individuais em como somos propensos ao tédio, todo mundo já sentiu isso em algum momento no trabalho. Tamanha a sua importância que, uma pesquisa da consultoria Korn Ferry afirma que o tédio, e não o Burnout, é a principal razão pela qual as pessoas deixam seus empregos.


O tédio é causado por uma combinação de fatores. Pode ser falta de estímulo, ou seja, achamos nosso trabalho desinteressante, ou talvez as pessoas não tenham trabalho suficiente para fazer, muito tempo de lazer também pode causar tédio.


Além disso, ele também é agravado por um descompasso entre as expectativas e a realidade.


A revista New Yorker escreve que “o capitalismo moderno multiplicou as diversões e produtos para consumo ao mesmo tempo em que minou fontes espirituais e de significado. Cresceram as expectativas de que a vida seria, pelo menos em uma parte do tempo, divertida, e as pessoas, inclusive nós mesmos, seríamos, interessantes – e também cresceu a decepção quando isso não acontece.”


Pode-se argumentar que a vida moderna também trouxe indústrias inteiras em que as pessoas acreditam que o trabalho que fazem na verdade não precisa ser feito.


O tédio no trabalho também está intimamente relacionado ao que o autor e professor Adam Grant chama de “definhar”.


Grant define isso como uma sensação de estagnação e vazio, mesmo enquanto existe energia para completar tarefas. O definhamento não é tão grave quanto a depressão, mas dificulta a capacidade de foco e a motivação para trabalhar.


É hora de o “Boreout” se juntar às pautas de saúde mental no trabalho da mesma forma que o Burnout, o presenteísmo e o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal se tornaram assuntos muito debatidos.


5 maneiras de combater o tédio no trabalho


1. Divida tarefas e dias tediosos. Lidar com tarefas entediantes quando a energia diminui pode ser uma boa pausa mental do trabalho mais criativo e estratégico.


Essas tarefas também não precisam ser concluídas de uma só vez. Agendar tarefas tediosas por algumas horas pela manhã, fazer uma longa caminhada ou fazer outra coisa que forneça uma dose de dopamina e depois retornar para terminar essas tarefas no final do dia pode ajudar a acabar com o tédio e o burnout.


2. Cultive a segurança psicológica para que os funcionários possam falar como se sentem. Admitir que você está entediado no trabalho é um tabu em muitas organizações, mas não deveria ser. Em vez disso, falar aos líderes sinaliza que alguém está insatisfeito ou é subutilizado e dá espaço para eles corrigirem isso.


Os gestores podem ajudar a identificar novas áreas dentro da empresa ou novas experiências para proporcionar uma mudança. Eles também podem incentivar os funcionários a buscar interesses externos que beneficiem tanto o profissional quanto o empregador, como orientação, falar em público ou fazer um novo caminho.


3. Aqueça o trabalho com propósitos e desafios. Encontrar um trabalho significativo não é apenas responsabilidade dos funcionários. Os líderes devem conectar regularmente o que as pessoas fazem em seu trabalho diário ao seu objetivo maior. Ver o impacto e o progresso é um dos fatores mais importantes para a motivação e o bem-estar – se não o fator mais importante.


Os líderes também devem identificar oportunidades para criar um trabalho mais desafiador para aumentar o engajamento. Isso pode ser feito ingressando em novos comitês ou forças-tarefa ou sendo solicitado a ajudar a resolver um problema complexo.


4. Incentive o compartilhamento e/ou a criação no trabalho. Uma solução rápida é assumir tarefas mais variadas, e uma maneira de fazer isso é por meio do compartilhamento de tarefas ou criação de tarefas. “Job crafting”, um conceito introduzido pela primeira vez em 2001 pelas pesquisadoras americanas Amy Wrzesniewski e Jane Dutton, é quando alguém redesenha proativamente seu trabalho para se alinhar aos seus interesses, enquanto garante que os requisitos fundamentais da função ainda sejam cumpridos.


Por exemplo, alguém interessado em desenvolver suas habilidades de programação pode aumentar a quantidade de tempo que trabalha com aplicativos online. O compartilhamento de trabalho é quando duas pessoas dividem tarefas dentro de uma empresa, trabalhando em regime de meio período.


Alguém que procura combater o tédio no trabalho poderia, teoricamente, trabalhar em dois empregos diferentes de meio período para introduzir mais novidades e alternância de tarefas em seu dia.


5. Reserve um tempo para projetos que te deem paixão. O Google é provavelmente a empresa mais conhecida que faz isso, com sua filosofia de que os funcionários devem reservar 20% de seu tempo para explorar ou trabalhar em projetos inovadores.


Ao ampliar os horizontes e reservar tempo para a criatividade, você pode se livrar do tédio e encontrar inspiração de novo.


Fonte: Portal Contábeis com informações da Forbes Brasil

Sem papel, sustentável e consultiva.gif